Página Inicial > Blog > AS METODOLOGIAS ATIVAS NOS ENSINOS FUNDAMENTAL E MÉDIO
balão de conversa com um lápis

Notícias

balão de conversa com um lápis

Frase da Semana

“Nós nos tornamos nós mesmos através dos outros”

Lev Vygostky
Livro

AS METODOLOGIAS ATIVAS NOS ENSINOS FUNDAMENTAL E MÉDIO



Adaptar e praticar as novas metodologias de ensino, de acordo com a realidade social de cada escola, é um desafio para os professores. A pedagogia problematizadora proposta pelo educador Paulo Freire, centrada na interação entre o professor e o aluno, a partir de uma realidade local, estimula o aluno a aprender e a apropriar-se do conhecimento, observando sua própria vivência cotidiana.
Para Paulo Freire, o que impulsiona o aprendizado é a superação de desafios, a solução de problemas e a construção de conhecimentos, a partir de experiências anteriores de cada aluno.
Uma reportagem da revista Educação associa a metodologia de Freire à aplicação do método Aprendizagem Baseada em Problemas, criando uma ambiência em que os estudantes não recebem os problemas e questões para serem solucionados, mas são desafiados a observarem a própria realidade, na busca de soluções para problemáticas cotidianas, percebidas pelo grupo. O resultado é a criação de novas experiências interdisciplinares, em uma constante relação entre teoria e prática.
A Aprendizagem por Projetos associa as modalidades de ensino e pesquisa. Esta metodologia vem sendo implantada no Ensino Fundamental, com a abordagem de temas transversais, de acordo com as considerações da doutora em educação pela USP, Neusi Aparecida Navas Berbel, em um artigo acadêmico.
A pesquisadora explica que o aluno busca informações, lê, faz entrevistas, anota dados, faz gráficos, cria questionários. De acordo com a pesquisadora, o projeto tem quatro fases: a intenção; a preparação, com a busca de ferramentas e instrumentos necessários para a realização do projeto; a execução e a avaliação dos resultados.
Nas práticas brevemente descritas acima, o professor deixa de ser o centro da aula e o conhecimento, que antes era uma apropriação obtida apenas em aulas expositivas, passa a ser ativo, com troca de informações entre os estudantes e o professor, em grupos de discussão, estudos e projetos, numa prática da autonomia das crianças e dos adolescentes.
O professor deixa de ser detentor único do conhecimento e passa a ser um facilitador das pesquisas do estudantes, colaborando para a construção do conhecimento colaborativo. As novas metodologias não são a negação da teoria, mas a aplicação do conhecimento para a solução de problemas e para o desenvolvimento de projetos, aproximando a escola da realidade social dos estudantes.
De acordo com a pesquisadora Berbel, os professores participantes dessas práticas ouvem mais os alunos, permitem que eles lidem de forma mais pessoal com ideias e materiais, perguntam aos estudantes o que eles querem, respondem aos questionamentos e exercitam a empatia em relação às considerações feitas pelos alunos. Estes professores também encorajam mais as iniciativas, com atitudes de comunicação não controladoras.
O resultado do exercício da maior autonomia dos estudantes é o crescimento da motivação, engajamento, desenvolvimento dos estudantes, aprendizagem e melhoria no desempenho escolar. A geração de nativos digitais quer interagir, colaborar, compartilhar. Com isso, essas metodologias ativas podem ser mais adequadas para o aprendizado, na comparação como ensino expositivo tradicional das salas de aula.

Prof.ª Sandra Regina Silva
Jornalista e mestra em Mídia e Tecnologia - linha de pesquisa Gestão Midiática e Tecnológica, pela UNESP.
Professora no curso de Publicidade e Propaganda da UniSALESIANO Lins.
Endereço para acessar este CV:
http://lattes.cnpq.br/747198695400023

 


Balão de comentário com lápis
BLOG

Artigos

O coaching é um treinamento muito utilizado por empresas e empregados, para a obtenção de melhores resultados, com foco na carreira, sem esquecer a... A PRÁTICA DO COACHING EDUCACIONAL PARA O DESENVOLVIMENTO DE UMA EDUCAÇÃO HUMANIZADA

Reflexões

As pessoas têm diferentes tipos de inteligência. Isso explica porque alguns aprendem facilmente música e dança, enquanto outros destacam-se em lit... O DESENVOLVIMENTO DAS MÚLTIPLAS INTELIGÊNCIAS, COMPETÊNCIAS E HABILIDADES

Notícias

Aconteceu, nos dias 25 e 26 de agosto, o Encontro de Gestetores 2016, com o tema: “A educação especial na perspectiva da educação inclusiva”. ... Encontro de Gestetores 2016